28/02/2010

cor incolor

Acordei na esperança de voar
onde a brisa desaparecesse nos cabelos
me roubasse o cheiro sem pudor.
Uma pétala passou-me ao lado.
A flor? Nem se mexeu
Chorou em busca do sol,
girou com ele.
Um girassol amarelo cantou
viu o mar secar a amargura do rancor.
Tentou chamar por mim
não o ouvi.
Fingi!
Ceguei o que queria ver.
Sinto-me realmente um "creep"
consigo vomitar
o nojo de mim mesma.
Dei cor à dor,
chorei a preto e branco o arco íris.
Não sendo jogo
sinto-me fora, como sinto
mas desisto!
Cansei, cortaram-me as asas.
Não sou um anjo..
mas não me vou ficar pelo inferno.

1 comentário:

João disse...

bonito poema :P
apesar de nao perceber algumas cenas xD