02/02/2010

;)

Tu..
dás-me vontade de rir,
mesmo acordado
finges estar a dormir.
Esquece!
Este poema não é para ti
nem para ninguém
no fundo pode ser para mim.
É para qualquer um
que tenha alma de fingidor
já dizia o Pessoa que
fingia que tinha a dor.
'Tou farta de cinismos
e de falsas amizades
cada passo que me vejo dar
é pró caminho da falsidade.
Como cansada que 'tou
vou virar as costas
o meu dinheiro eu não dou
quando fazem mal apostas!
Para acabar,
vou-me despedir da vossa história
para não passar outra vez
vou guarda-la na memória!
Já agora um p.s. :
eu sei que a verdade dói,
mas se a enfrentares
passas de mentiroso, a herói.

2 comentários:

João disse...

elah! poema pausado xP

João disse...

uma cena "É para com qualquer um" isto está bem?
nao seria "É para qualquer um" ?